9.8.13

Aqui do alto


Acordamos sob o som de metralhadoras. O barulho vinha de uma casa sendo demolida. Um um trator com uma furadeira gigante na ponta destroçava uma casa. 

Do outro lado do apartamento, um grupo de quase vinte haitianos desce a Avenida Djalma Batista. Todos vestidos da mesma forma. Camisas de algodão com golas, jeans e tênis esportivos. As tradicionais pastas com documentos à mão. 

Mais à frente, vendedores ambulantes empunhando varas tentam tirar mangas na antiga sede da MTV Manaus.

Pedreiros constroem e destroem coisas. Um quarteto sem equipamentos de segurança começa a terminar as paredes de um novo pavimento. O bairro está se movimentando, crescendo de forma barulhenta e desordenada. 

Precisamos ir para a nossa casa o quanto antes.

O horizonte

O horizonte — visto da minha janela — não é um horizonte clássico realmente — e sim um céu bordeado por árvores insistentes em existir — ...