23.4.16

O pessimismo



Duas ou três pessoas falando seriamente sobre as formas que a reencarnação proporciona a nós sofrer para aprender.



Tinha quase que jurado que não entraria em tais questões, porque:



1. A existência não possui menor sentido e, se possuísse não se justificaria pelo puro e simples sofrimento.



2. Não há nada além do natural e do visível e;



3. Se ainda assim algo controla isso, esse algo é sádico e/ou impotente.



Os espíritas me olharam com surpresa. Mas a expressão do meu argumento foi tão OK, tão tranquila, que eles voltaram a sentarem-se na grama. 


O pessimismo não precisa ser combativo. Apenas deve exprimir esse absurdo de dor e de morte que é a existência e o quanto precisamos aproveitar toda a parte boa da vida antes que o a dor, o sofrimento e o horror inevitável se aproxime.



O horizonte

O horizonte — visto da minha janela — não é um horizonte clássico realmente — e sim um céu bordeado por árvores insistentes em existir — ...