18.2.13

Três Piratas Trapalhões





As páginas de torrents são do bem ou do mal? São instrumentos de propagação cultural global de forma democrática, ou simplesmente uma fachada geradora de dinheiro ilegal? 

A resposta correta é “todas as opções acima”. As páginas de torrent são tudo isso e mais um monte de outras questões. 

Na tentativa de compreender um pouco mais algo do qual eu sempre faço uso, baixei e assisti TPB AFK ou, expandindo a sigla: The Pirate Bay – Away From the Keyboard

O documentário acompanha os três fundadores do Pirate Bay desde os primeiros processos, em 2008, até o final do ano passado.

Durante idas e vindas entre tribunais, recursos e apelações, podemos perceber como os três pares de olhinhos desenhados no cartaz na vida real representam sujeitos totalmente diferentes uns dos outros. 

Peter Sunde, o mais articulado e o único inspirador de certa simpatia, é o programador politizado, combatente dos abusos do copywriting monopolizado pelas grandes corporações.  Fedrik Neij, ambicioso e xenófobo (mesmo casado com uma garota estrangeira) , é o programador que entrou no negócio pela grana.  Gottfrid Svartholm, o mais estranho e excêntrico dos três, é o programador gênio que não parece ligar para nada, particularmente a higiene pessoal.

A amizade de Peter, Fedrik e Gottfrid poderia parecer improvável. E foi. Em nenhum momento do documentário se pode ver qualquer atitude que prove o contrário. Segundo depoimentos dos próprios, tal “amizade” começou online e só certo tempo depois passou a ser AFK  - away from the keyboard – termo surgido para refutar o comum “na vida real”, visto que para eles a internet sempre foi real. Essa talvez seja a única informação clara e interessante em todo o documentário. De resto, o diretor tentou fazer alguns momentos parecem um "The Social Network" com protagonistas reais e não conseguiu.

O documentário inteiro é permeado por ambiguidades. A amizade dos três fundadores. Os motivos reais da criação da página de compartilhamento de arquivos. A origem do dinheiro financiador dos provedores da página e onde ficam tais servidores e, principalmente, não há resposta para a principal pergunta: Por  que diabos eles criaram tal página mesmo sabendo de todos os problemas pessoais e punições legais irreversíveis como consequência de tal decisão. 

Nem quando, no final das contas, após tantos argumentos e recursos, os três gênios da computação e anarquistas em potencial acabaram vítimas das suas próprias birras e trapalhadas. 

Peter escapou da cadeia, mas não de uma dívida de milhões de dólares.  Fedrik está foragido e é procurado pela Interpol, ou seja, terminou condenado a ser o que mais detesta: um entrangeiro. Gottfrid se afundou nas drogas, não satisfeito com os problemas que já possuía também envolveu-se com a página do Wikileaks, tentou escapar da polícia, foi pego no meio do ano passado e, mesmo cumprindo uma sentença de um ano, não raro foi obrigado a passar 23 horas por dia em uma solitária.

Tal punição durou até o dia 7 de Dezembro de 2012; data em que eu e você possivelmente baixamos algo através da página que Gottfrid e seus ex-colegas criaram.



Nenhum comentário: