20.12.17

O Ônibus


Dividíramos o mesmo ônibus por semanas desconhecidas até trocarmos olhares por diversas vezes até sorrirmos e começarmos a nos espremer de pé um próximo ao outro, trocarmos telefones e começarmos o namoro. Nunca tivemos uma real versão corporal plena um do outro pelo fato de estarmos sempre dentro de um veículo coletivo, ou caminhando para casa ou sentados em uma praça de alimentação. O ir e vir da cama de quartos de motéis para pedestres também não nos dava uma dimensão exata de como seríamos quando estivéssemos casados e dividíssemos a mesma cama quarto e vida. O corpo lasso, sem fazer nada, como uma planta, jogado na sala ou adormecido, veio apenas após termos assinado os papéis. Decidimos ter uma gravidez. Nunca aconteceu. A observo assistindo o sol.

Nenhum comentário: